Conheça tudo sobre a Vodka, a bebida dos Czares!
VODKAS.COM.BR
Imigrantes Bebidas

Mais de 100 rótulos de vodkas diferentes
Vodka - Terminologia

O termo vinó era utilizado tanto para designar o vinho de uvas como o destilado de cereal. Entre os séculos XV e XIX, os vários termos empregados para os destilados de cereais significaram, basicamente, a palavra vodka.

A partir de 1731 o termo vodka começou a ser acusado para distinguir a bebida destilada dos vinhos de uvas.

O termo vinho de cereal (Khlébnoe vinó) aparece pela primeira vez em 1653 e torna-se a expressão usada para designar o destilado de cereal, a vodka.

Concomitantemente, o termo goriáchtchee vinó surge no século XVII significando o vinho que tem a propriedade de queimar. Este nome, entretanto, não se fixou na língua russa.

Outros termos surgidos na metade do século XVII se referem à bebida vodka e seus produtores, tais como vinho russo (rússkoe vinó) e vinho de centeio, em referência a matéria-prima utilizada na produção da vodka.

Em 16 de fevereiro de 1786 o estado russo garante à nobreza, via decreto, a permissão para efetuar a destilação, marcando o afastamento do governo da produção da vodka.

Este decreto confirma o processo de descentralização da produção de vodka, processo este que se desenvolvia desde o início do século. Progressivamente o povo deixou de chamar a vodka de vinó.

Este processo foi mais intenso na época de Pedro, O Grande, quando a baixa qualidade da bebida fez surgir nomes que denegriam sua imagem. Desta feita, uma destas denominações foi "vodka de Pedro". Neste sentido, sabe-se que a bebida não era digna do nome "vinho de cereal"; não passava de "água de Pedro" ou ainda, "aguinha de Pedro", de maneira pejorativa.

Vários termos técnicos e industriais foram utilizados para designar a bebida destilada e sua qualidade.

A partir do produto obtido no primeiro estágio da destilação do fermentado do mosto original de cereal, denominado raka, se reproduziam:

Vinho simples (Prostóe vinó) - destilado a partir da raka, ou seja, a partir da dupla destilação do álcool, pois a raka já era o produto da primeira destilação. Era o principal produto intermediário usado na produção do vinho de cereal conhecido como polugar.

Polugar - obtida pela diluição do vinho simples na proporção de três partes para uma de água.

Pénnoe vinó - a melhor variedade de vodka obtida a partir do vinho simples. Obtida a partir do volume de raka de melhor qualidade (um quarto ou um quinto do volume total de raka) e de alto teor alcoólico. Diluem-se 100 partes desta raka em 24 partes de água pura. Valorizada por sua pureza, suavidade e paladar agradável.

Outros estágios do vinho simples eram diluídos em água, produzindo variedades mais fracas e baratas de vodka:

Vinho triplamente testado (Triokhpróbnoe vinó) - vodka obtida pela diluição de 100 partes de vinho simples com 33 partes de água. O vinho simples utilizado aqui era o que sobrava depois da primeira destilação da raka, portanto, o produto era de qualidade inferior.

Vinho quadruplamente testado (Tchetiriokhpróbnoe vinó) - destilado ou mais aguado, cem partes de vinhos simples com 50 baldes de água.

Vinho duplamente testado (Dvukhpróbnoe vinó) - obtido pela diluição de 100 partes do destilado original do mosto (sem a separação da melhor parte, a raka) com 100 partes de água. Era conhecido como "vinho de mulher".

Vinho duplo (Dvoinóe vinó) - obtido pela destilação do vinho simples, ou seja, a bebida produzida na tripla destilação, de raka a vinhos simples e a vinho duplo.

A "destilação" era uma garantia de qualidade e o teor alcoólico do vinho duplo variava entre 37% e 45% do álcool por peso.

Vinho triplo (Troinnóe vinó) - preparado a partir do vinho duplo, que era novamente destilado. Assim, a bebida destilada quatro vezes era considerada como altamente refinada para consumo doméstico. Na forma não diluída possuía teor alcoólico de 70%. Era a base clássica para a preparação de vodka através da adição de água.

Vinho quadruplo (Tchetvernóe vinó) - bebida altamente depurada, este produto de quíntupla destilação tinha teor alcoólico entre 80% e 82%.

Os termos associados à vodka demonstram que o desenvolvimento das bebidas alcoólicas na Rússia seguia para a vodka, que era obtida pela diluição do destilado em água. O contexto histórico e social aponta para a produção da vodka, já que era hábito o consumo de bebidas diluídas em água.

A primeira referência ao uso oficial do termo vodka data de 1751 e só reaparece por volta de 1900 quando da reintrodução do monopólio estatal sobre a produção e venda da bebida.

Como mencionado anteriormente, a palavra vodka até o século XIII significava água e, mais tarde, teve seu significado alterado, até ser aplicada à bebida nacional russa.

Uma das primeiras aplicações da palavra vodka foi na medicina e/ou na farmacologia, quando se diluíam infusões medicinais em água; eram as tinturas em água ou vodkas.

Assim, o termo vodka fazia parte também da terminologia médica e demorou a que seu uso passasse a designar uma bebida alcoólica.

Portanto, pode-se compreender que no século XVI a palavra vodka estava presente tanto nos remédios quanto nas bebidas alcoólicas. Era vinó como bebida e vodka como remédio.

No final do século XVIII, o médico e cientista N. M. Maksiniovitch - Ambovik aplicou o termo vodka a três tipos de bebidas: vodkas destiladas (vódki peregnánnie), vodkas temperadas (vódki nastóennie) e vodkas doces (vódki sládkie).

No princípio do século XIX, a palavra vodka passou a designar apenas as vodkas aromatizadas, enquanto a variedade comum, incolor, ainda era conhecida como vinó. Paulatinamente o termo foi adquirindo seu significado de bebida alcoólica até figurar oficialmente na língua russa, no dicionário de 1872, como sinônimo de vinó e como diminutivo de vodá.

Até a introdução do monopólio de 1902, as duas palavras foram utilizadas para designar a bebida: vodka e vinó. A partir de 1902 a vodka passou a ser assim chamada quando apresentasse teor alcoólico de 40%.

A fórmula empregada na produção da vodka era a mistura de 50% de álcool e 50% de água, produzindo uma bebida com 41% a 42% de álcool por peso.

Esta proporção foi proposta pelo químico Mendeleiév que observou que quando o álcool é misturado à água, o volume total de líquido é reduzido. Assim 1 litro de vodca a 40% deve pesar 953 g.

A partir de 1894/1896 a vodka russa passou a ser definida como uma bebida à base de cereal, triplamente destilada e depois diluída com água numa concentração de 40% por peso.

É o padrão da vodka nacional russa.

A produção de vodkas de altíssima qualidade era voltada exclusivamente para o consumo da nobreza russa.

Entretanto, o interesse mercantilista propiciou o aparecimento de vodkas inferiores, fabricadas a partir de batata ou beterraba, voltadas para o consumo de massa. Enquanto isso, as vodkas de centeio eram consumidas pelos nobres ou exportadas para a Alemanha.

Este contexto forçou a reintrodução do monopólio sobre a vodka em 1902, com o objetivo de manter seu alto padrão. Este 4º monopólio durou até 1917, ano da Revolução Russa.

Entre 1917 e 1923 a produção e a venda da vodka foram totalmente proibidas.

De 1924 a 1936 era permitida na Rússia a venda de bebidas alcoólicas leves como o vinho, a cerveja e as vodkas com teor alcoólico de até 20%.

A partir de 1936 a venda estatal de bebidas alcoólicas apresentou grande expansão, principalmente de vodka. Este fato levou ao aumento do consumo até 1940.

Após a Segunda Guerra Mundial a população russa apresentou elevados índices de embriaguez. Este período se prolongou até a década de 1970 e foi encarado como um grave problema social.

Finalmente, a solução da embriaguez se volta para a vodka em si, ou seja, na melhoria de sua qualidade e no aumento de preço.




Conheça Também:

Imigrantes Bebidas
Adega do Vinho
Clã do Whiky
cervejanacionaleimportada.com.br
Bebidaebebidas.com.br
Alambique da Cachaça
Absintos.com.br
5850959